Foto postada por filha irrita mãe, que transmite surra ao vivo no Facebook

0
217

Shanavia Miller está sendo investigada pela polícia após dar uma surra em sua filha de 16 anos durante uma transmissão ao vivo na página da jovem no Facebook.

No vídeo de mais de 5 minutos, a norte-americana aparece gritando e agredindo a filha adolescente com tapas, socos e até mesmo usando um pedaço de madeira.

Mãe dá surra na filha

O que motivou a surra foi uma foto que a adolescente divulgou na rede social, em que exibia a intimidade com o namorado. Durante toda a agressão, a mãe bate e xinga a filha por ter se exposto no Facebook.

Ao final do vídeo, a americana pega a câmera, ajeita os cabelos e pede para que as pessoas compartilhem o vídeo da surra para que ele viralizasse. Apesar de algumas pessoas concordarem com a atitude de Shanavia, muitas levantaram o debate sobre agressão física e o fato da americana ter exposto a filha desta forma na web.

De tão violento, o vídeo foi excluído do Facebook, mas no Youtube já acumula milhares de visualizações. No início da gravação foi colocado um alerta: esse vídeo contém palavrões e violência.

Por causa desta reação violenta, Shanavia pode precisar se explicar para a Justiça. A porta-voz do Departamento de Polícia Metropolitana Savannah-Chatham Darnisha Green disse em entrevista ao site do jornal americano The Washington Post que já teve acesso ao vídeo porque internautas fizeram denúncias e encaminharam a gravação à polícia.

Oficiais entraram em contato com mãe e filha. A menina afirmou que se sente segura em casa e, por isso o caso foi encaminhado para o Departamento de Serviços para Família e Crianças.

Após a agressão, a menina de 16 anos fez um post na mesma conta no Facebook para dizer que entendia a reação de sua mãe, que também se manifestou após a transmissão ao vivo, dizendo que a punição se tratava de um ato de amor. “Lição aprendida, tenham todos um dia abençoado”, disse ao final da mensagem.

VÍDEO NO TOPO DA POSTAGEM

Como educar os filhos

A psicóloga e terapeuta de família Tatiana Leite diz que fúria e raiva nunca podem ser descontadas nos filhos, o correto é sempre orienta-los sobre como eles devem se comportar, o que deve ser postado nas redes sociais e as consequências de compartilhar detalhes da vida privada.

“Adolescentes geralmente não sabem a repercussão do que aquilo [postar uma foto íntima] pode ter na vida deles, no trabalho, não têm noção de que se trata de um registro e que depois de postar eles perdem o controle sobre aquela imagem”, explica a psicóloga.

Por isso, a terapeuta ensina que o correto é sempre conversar abertamente com os filhos, para que eles se sintam seguros para fazer perguntas quando tiverem dúvidas e não cometam erros e se exponham.

“A mãe deveria ter conversado com a filha, falado para ela por que aquilo está errado, como aquela simples imagem poderia constrangê-la futuramente, que este tipo de foto não deve ser postada e simplesmente excluir o post”, afirma.

De acordo com Tatiana, os pais devem sempre pensar que a adolescência é um período complicado e de aprendizagem, e que eles não têm o mesmo entendimento que os adultos, por isso é necessário ter paciência com os erros cometidos pelos filhos, mas sem que haja punições.

Como colocar limites nos filhos

“Punição não resolve, punir na mesma moeda só gera violência, agressividade e afasta ainda mais o filho, o que é ruim porque é importante que os filhos tenham liberdade para ter conversas abertas. O adolescente precisa entender por que a atitude dele te incomodou e quais as regras que deve seguir”, explica a terapeuta de família.

A dica da psicóloga para não agir com a cabeça quente é se afastar um pouco, reservar um tempo para pensar sobre o motivo daquilo te deixar com raiva, o que está acontecendo com o filho e se ainda assim não souber como agir sem ser agressivo, compartilhar o problema com outra pessoa que possa te ajudar.

“Violência gera revolta e quando parte para agressão não está sendo ensinado para o filho que ele precisa aprender a lidar com os erros dele e as consequências disso. Punir não ensina sobre o erro, o certo é questionar por que o filho cometeu esse erro para saber o que se passava na cabeça dele e o que é preciso ser ensinado”, ressalta Tatiana.

Post Revisado: 23/11/2017

Fonte:

Deixe um comentário